Quarta-feira, 31 de Maio de 2006

Q U A S E

                     QUASE é uma palavra muito usada pelos frustrados da vida e das coisas. Quase ganhei a viagem; quase apanhei o avião; quase ganhei  o euro-milhões; quase fui feliz!

                      QUASE é nagativo. É malogro, é insatisfação, é decepção completa. Ninguém se deve contentar com o quase, e se isto é verdade na vida física muito mais o é no campo espiritual.

                        O SEnhor Jesus falou, certa vez, de um sábio doutor da lei, que sabia tudo a respeito da religião, sobre o ritualismo judaico, sobre os mandamentos de Deus e, até mesmo, sobre o próprio Deus, mas só estava quase no reino de Deus (Marcos 12:28-34).Na verdade, aquele "estar perto" significava que ele estava fora do Reino, estava perdido e sem salvação garantida.

                          A Bíblia fala-nos de diversas situações análogas:

  • o doutor da lei                                    (Marcos 12:34)
  • o mancebo de qualidade                 (Lucas 18:18-25)
  • Judas                                                   (João 13:26-30)
  • Ananias e Safira                                 (Actos 4:32-37)
  • Simão                                                   (Actos 8:18-23)
  • Demas                                                  (II Timóteo 4:10)
  • Alexandre, o latoeiro                           (II Timóteo 4:14)

                          Todos estes estiveram perto do Reino, quase dentro, mas, tanto quanto sabemos, ficaram fora.

                           Não fiques de fora. Não te fiques pelo quase. Jesus te convida a entrar e possuir, pela fé nele, o Reino que nos está preparado, desde antes da fundação do mundo.

  Hoje, e agora, é o dia da salvação.
Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo.

publicado por archote às 10:33

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 30 de Maio de 2006

"PARA QUE NADA SE PERCA..."

                     Nunca o tema da economia foi tão pertinente como nos nossos dias. É a subida constante dos preços do petróleo, é o aumento dos juros bancários, o grande número de desempregados, a concorrência desenfreada, que leva à ruína centenas de empresas, a, cada vez maior, escassez de recursos naturais (como o crude, a água, o oxigénio, a pesca - tudo em  vias extinção), é o aumento da população mundial, etc., etc..

                     Tudo isto leva a que se reflicta: - como será amanhã? Como poderemos encarar o futuro? Como reagirá a economia mundial e que marcas indeléveis deixará? Quem irá pagar a factura? Sim, quem, de facto, a irá pagar?

                      Será que o homem do século XXI está a pegar e a tratar convenientemente o assunto? Será que é com mais indústria (e, por consequência, mais poluição e envenenamento) que resolveremos o problema? Será com mais apertos e compressões sobre os pobres trabalhadores (e, portanto, mais guerras, revoltas e lutas) que chegaremos lá? Será com mais ditas Uniões Europeias, Americanas, Asiáticas, etc. (e, portanto, com mais desigualdades sociais) que atingiremos o alvo de sarar a economia mundial?

                      Não sou especialista na matéria. Talvez seja apenas "sapateiro", mas penso que, assim, não vamos lá. Há um outro caminho.

                      Jesus, o Filho do Deus Altíssimo, por mais de uma vez, pôs o "dedo na ferida", pois o problema não é novo! Em duas ocasiões específicas, aquando da multiplicação dos pães para sustento das massas famélicas ( não foram as únicas), Jesus demonstrou um alto sentido de economia, não só ordenando as multidões para que todos recebessem a parte necessária, mas também mandando que, no fim do repasto,  se recolhessem todas as sobras, a fim de que, disse, "nada se perca".

                      Vemos, nesta política, a ordem para evitar açambarcamentos, estragos, venda dos bens dados ( o que para aí vai nesta área, desde os grandes aos pequenos) e também o suprimento para o futuro. O pão que precisamos para as nossas necessidades e não para a satisfação do nosso egoísmo e ambição desmedidos. Pão suficiente, mas não para açambarcamento, revenda, lucros ilícitos.

                      Jesus também demonstrou nestes milagres que até a economia de Deus tem regras. Ele, como Deus que é, podia fazer alimentos do nada, mas não o fez. Ele procurou e usou pães e peixes que alguém disponibilizou para ajudar as necessidades dos outros! Com isto, Ele ensinou que, para termos o pão de cada dia, precisamos de fazer algo, trabalhar, produzir e não comer o pão da preguiça -- esperando que caia do céu.

                        Não podemos desperdiçar, nem malbaratar as bênçãos que Deus nos dá, quer na forma de alimentos, quer na forma de  quaisquer outros bens naturais, como a água, o oxigénio, a flora, a fauna, a saúde, etc..

                        Mesmo diante da fartura e da abundância de bens, devemos economizar, poupar, pois não há bens que sempre durem se os esbanjarmos.

                        Nesta sociedade de descartáveis, de consumo desenfreado, sejamos parcos, poupados, económicos, especialmente nos bens naturais, que são de todos e que não convém esgotar.

                        Guardai o que está sobrando hoje, para que nada se perca...

publicado por archote às 10:31

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

ONDE ESTAVAS TU, SENHOR ?

                     O Papa Bento XVI ontem, na sua visita ao campo de morte de Auschwitz , na Polónia, começou o seu discurso com a pergunta: - "Onde estavas tu, Senhor, quando isto aconteceu?"

                      Ele não soube, não quis ou  não pôde responder à pergunta que fez. De facto, diante de uma monstruosidade como a que aconteceu em Auschwitz , parece que Deus não tinha mais o comando da história. Parece que se tinha deixado ultrapassar pelas forças do mal, perdendo o controlo de tudo. Parece que tinha perdido o poder de parar as hostes infernais da maldade. Parece que tinha deixado de poder usar todo o amor da Sua natureza - Deus é amor
(João 4:8), toda a misericórdia da Sua pessoa - Deus é misericordioso - Miqueias 7:18b ), toda a justiça do Seu carácter - Deus é justo - (Salmos 7:9.12), toda a verdade e fidelidade do Seu ser - Deus é fiel e verdadeiro - (Salmos 89:1-5; Tito 1:2; Hebreus 6:18).

                     Não. Deus não se negou, nem mentiu. Deus estava lá, e nós, um dia, conheceremos a Sua justiça e a razão da Sua vontade, permitindo (não mandando) que tal acontecesse. Não foi a primeira vez que Deus permitiu que tais situações ocorressem. Lembremo-nos apenas: - a queda de Jerusalém (ano 522 A.C. e 70 A.D.), a matança dos inocentes em Belém, a matança dos hugnotes, o afundamento do Titanic, etc., etc.. Jesus ensinou: - "O que eu faço tu não o sabes agora, mas tu o saberás depois" (João13:7).

                         Auschwitz   não aconteceu pela vontade, querer ou propósito de Deus.  Ele apenas permitiu que os homens exercessem seu livre arbítrio, sem que isso implique a ausência de julgamento e castigo de Deus no tempo próprio - o tempo de Deus.

                        DEUS ESTAVA LÁ, sem dúvida, triste e magoado pelas atitudes assassinas do homem, mas Ele é Deus que não pode negar-se a Si mesmo. . Ele criou o homem à Sua imagem e semelhança - LIVRE.

"Porque estás abatida, ó minha alma?...
Espera em Deus, pois Ele é a salvação..."
(
Leia-se o Salmo 43)

 

publicado por archote às 10:27

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Maio de 2006

DIA DO SENHOR

                     A Bíblia diz: - "Lembra-te do dia do Senhor para o santificar. Seis dias trabalharás e farás neles todo o teu trabalho, mas no dia do Senhor descansarás e o santificarás".

                      Um dos grandes pecados dos tempos modernos é a violação da santidade do dia do Senhor. Por acaso já pensámos numa das razões porque os hospitais de alienados estão a abarrotar e a rebentar pelas costuras? Porque haverá cada vez mais doentes do foro psiquiátrico? Porque o "stress" é a doença da moda?

                       Tudo isso acontece porque cada vez mais se viola a lei do Senhor. "Bancos vazios no templo do Senhor significam corações vazios, lares vazios da verdadeira fé, famílias desfeitas por causa da irreverência do domingo e a consequente ruína espiritual".

                                       "Domingo, ó dia de amor
                                        Tão cheio de prazer!
                                        Almejo, ó meu Senhor
                                        A graça e Teu poder;
                                        Honrar-te, sim, glorioso Rei,
                                        Cumprir a Tua Santa Lei".

                           Ajuda-nos, Senhor, a honrar o Teu dia, não só para Teu louvor, mas, também, para nosso bem físico, moral e espiritual.
                                                                              Amen.

 

publicado por archote às 20:54

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 27 de Maio de 2006

QUERO SER COMO O "ZÉ"

                     Conta-se que um certo homem, conhecido apenas por "Zé", frequentador dos bares e botequins de um bairro, de má fama, duma grande cidade, se converteu a Cristo. Tudo mudou na sua vida e  aquilo que o identificava como bêbedo, drogado, ladrão, chocarreiro, sujo e sempre nauseabundo e caído nas sarjetas foi substituído profundamente.

                      O velho "Zé" morreu, costumava dizer. Agora sou o José, servo de Jesus.

                       De facto, a mudança era mais que visível. Ele tinha deixado de beber, andava sempre limpo, empregou-se numa serração e, à noite, ainda encontrava tempo para servir no lar da 3ª. idade e apoio a alcoólicos, que funcionava no bairro. Nunca mais alguém o ouvira dizer palavrões, fazer cenas de rua, maltratar quem quer que fosse. Era um novo homem, que , até, enfrentava a perseguição e o ridículo quando servia de zelador do velho templo da Igreja local.

                      Um domingo, entrou no templo, no culto da noite, um outro alcoólico, que foi levado, pelo braço, até ao banco da frente pelo sr . José. Sentou-se,  ouviu a pregação e, na altura do apelo, decidiu-se:

  • Eu quero ser como o  ZÉ! Quero ser igual ao ZÉ...
  • Tudo bem, vamos ali... vamos orar.
  • Mas eu quero ser mesmo igual ao ZÉ...
  • Meu amigo, eu acho que você devia orar para ser igual a Jesus...
  • Igual a Jesus?!...
  • Sim, sim, igual a Jesus!...
  • Mas, meu amigo, Jesus é igual ao ZÉ?

Adaptação de Ilustrações de Pauny Campelo

* * * * * *

OLHAI PARA JESUS,
AUTOR E CONSUMADOR DA FÉ

publicado por archote às 10:15

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Maio de 2006

DAVA TUDO PARA VOLTAR ATRÁS...

                      Esta é uma frase que muitas pessoas já proferiram, em momentos de arrependimento por algo que fizeram sem pensar. Foi o bêbedo que deu origem a um acidente mortal; foi o ladrão que foi apanhado pela polícia e "acordou" na prisão; foi o filho (a) que saiu inopinadamente de casa; foi o jogador que delapidou a totalidade dos seus bens; foi o pai que, acto impensado, abandonou o lar, etc., etc..

                        "Ah, se eu soubesse o que sei hoje..."

                         "Ah... eu dava tudo para voltar atrás e não ter que enfrentar esta situação..."

                          Tarde demais. O tempo não volta para trás e o que fizermos de mal trará sempre as suas consequências e constituirá um peso de consciência insuperável. Vivemos opresente, sonhamos com o futuro, mas temos de carregar com o passado, que jamais morrerá, a não ser quando lavado com o precioso sangue de JESUS o SALVADOR (I João 1:7)

                           Para que, amanhã, não te encontres perante o irremediável, dizendo: -  "dava tudo para voltar atrás e não me encontrar nesta situação", vive o  presente fazendo sempre aos outros o que queres que te façam a ti.

                            Vive o presente amando, fazendo o bem e produzindo o fruto do Espírito e o peso da consciência jamais te incomodará. 

publicado por archote às 09:50

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Maio de 2006

"NÃO SE TURBE O VOSSO CORAÇÃO" - João 14:1

                     "Não se turbe o vosso coração". É com estas palavras que Jesus conforta os Seus discípulos,   numa hora tão dolente como aquela que a Sua comunidade viveria no Getsemani   - - o calvário antes do calvário.         

                      Era Jesus que seria preso, manietado, açoitado, cuspido, zombado e crucificado, mas era Jesus que consolava - "Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim; na casa de meu Pai há muitas moradas..."

                       No mundo tereis aflições, traições, contrariedades, desilusões, mas "não se turbe o vosso coração, em mim tereis paz, vitória, pois Eu venci o mundo"  (João 16:33)

                       Basta que tenhais ânimo, confiança em Mim, porque Eu vivo e vós vivereis também! Eu venci, vós vencereis também, porque não é dos fortes a vitória, nem dos que correm melhor, mas dos que CONFIAM NO SENHOR.

                       "Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei; tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim que sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para as vossas almas"       (Mateus 11:28-30)

                       

publicado por archote às 11:52

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Maio de 2006

O SENHOR É O MEU PASTOR

                  O Salmo 23, também conhecido pelo salmo pastoril ou o salmo do bom pastor, é uma das mais belas peças poéticas do Velho Testamento.

                   É uma metáfora (figura de linguagem) linda, significativa e consoladora. Fala-nos das maravilhosas provisões de Deus para todos aqueles que à Sua sombra se abrigam. Para as ovelhas do Senhor haverá:

  • pastos verdes e abundantes
  • águas frescas e repousantes
  • descanso, sem ser paragem
  • segurança absoluta
  • direcção e condução correctas

                     Enfim, para os crentes salvos nada faltará, nem neste mundo, nem na eternidade futura.

                     Jesus é o Bom Pastor  que dá (está dando) a vida pelas Suas ovelhas. Ele conhece todas as Suas ovelhas e delas é conhecido.   Ele supre todas as suas necessidades,  conforta--as, abençoa-as e defende em todas as circunstâncias. Não é como o mercenário, que apenas as explora e que foge quando chegam os perigos.

                     Obrigado, Jesus, Tu és o meu Pastor, nada me faltará!

(Salmo 23; João 10:1-21)

 

publicado por archote às 08:39

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 23 de Maio de 2006

JESUS OLHOU PARA ELE E AMOU-O

                      Como seriam os olhos de Jesus? Seriam azuis como o azul celeste ou azuis como o mar profundo? Seriam verdes como a relva ondulante, quando tocada pela brisa fagueira? Seriam cinzentos e neutros, como a neblina da manhã? Ou seriam castanhos como a sombra das montanhas de Judá? Quiçá, talvez negros e profundos como os mistérios da vida?

                       Não possuímos fotografias (não as havia), nem retratos fidedignos para que possamos responder a essas perguntas. Não podemos aceitar, nem acreditar nas múltiplas suposições que nos chegam da idade média, por muitas delas serem efeminadas, caricatas e inadmissíveis. Contudo, podemos pensar, de acordo com os relatos dos Evangelhos, que o Seu semblante seria majestoso, puro e doce.

                      Ele infundia respeito, veneração e adoração a todos quantos contactavam com a Sua Pessoa.

  • Eu te seguirei por onde quer que fores (Lucas 9:57, 61)
  • nunca ninguém falou assim como este homem (João 7:46)
  • as multidões O seguiam por toda a parte
  • verdadeiramente este homem era filho de Deus (Lucas 23:47-48)

                       Os  aguazis  foram  confundidos  pela Sua  palavra  e  pelo  Seu  olhar (João 7:46; 18:4-8) ;  Pedro, na hora da negação, foi tocado pelo Seu olhar e saiu da sala para chorar amargamente (Lucas 22:61-62); o mancebo de qualidade foi tocado pelo olhar de amor de Jesus e, embora amasse muito as suas riquezas, só a eternidade pode revelar o que aconteceu mais.

                        Jesus, no Seu rosto, reflectia a pureza da Sua vida sem pecado, a glória do Deus Amor que encarnou, a certeza da eternidade que era, o poder da Omnipotência que tinha.

                        O admirável semblante de Jesus irradia, de Si mesmo, simpatia, graça, energia pureza, amor, glória, com tal intensidade que aqueles que para Ele olham contìnuamente se tornam parecidos e reflectem o Seu carácter, como aconteceu com Moisés quando esteve com Deus no monte Horebe ( Êxodo 34:29-35)    e como aconteceu com os primeiros cristãos ( Actos 4:13; 7::55-60)

                         OLHAI PARA JESUS autor e consumador da fé e tereis paz e graça real.

publicado por archote às 15:28

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Maio de 2006

SETE SINAIS DE DECADÊNCIA SOCIAL

SETE SINAIS DE DECADÊNCIA SOCIAL

Política sem princípios

            Riqueza sem trabalho

                        Prazer sem consciência

                                    Educação sem carácter

                                                Comércio sem moralidade

                                                             Religião sem vida sacrificial

                                                                          Famílias sem Cristo no coração

 

                                                                                                                              ( Stanley Jones )

REMÉDIO PARA A CRISE SOCIAL:

O Evangelho de Cristo, poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê,

e liberdade absoluta para o homem fazer o bem.

(Romanos 1:16; João 8:31-32)

publicado por archote às 08:37

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds