Quinta-feira, 24 de Outubro de 2013

CRIOU DEUS O HOMEM À SUA IMAGEM... MACHO E FÊMEA OS CRIOU

Génesis 1:17-28                                         Génesis 1:27-31

 

Deus criou-nos à Sua imagem e semelhança e insuflou em nossos narizes o espírito da vida. Que coisa melhor poderíamos desejar do que sermos feitos à Sua imagem e não sermos apenas "bonecos de barro", mas sermos almas viventes? (Génesis 2:7).

 

Outro aspecto, não menos importante,  é que Deus fez o homem macho e fêmea, para que pudesse frutificar, multiplicar e encher a terra. "Deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher e serão ambos uma só carne" (Génesis 2:23). Que mensagem bonita, útil e significativa!  Dois numa só carne, frutificando, multiplicando-se e enchendo a terra!

 

Homens e mulheres vivendo uma vida de comunhão íntima e fazendo a vontade de Deus, povoando e habitando esta tão maravilhosa terra!

 

Não pensaram os homens assim. Cedo desobedeceram ao Senhor, comendo do fruto proibido e trazendo maldição para si próprios e para a terra. "Maldita é a terra por causa de ti..." (Génesis 3:17). Maldição tão grande que, em breve, vemos o homem no caminho do fratricídio (Génesis 4:8-12), logo passando para a poligamia (Génesis 4:19), até à corrupção total de todo o género humano, ao ponto de Deus se ter "arrependido" de ter feito o homem (Génesis 6:7 e ter determinado destruir da face da terra todo o homem (Génesis 6:12).

 

Houve, porém, um homem, Noé, que achou graça aos olhos de Deus que, por ele e sua família, veio a preservar um remanescente para o futuro.  Deus destruiu todo o homem pelas águas do dilúvio, à excepção da família de Noé, que viria a repovoar a terra.  Contudo, não aprenderam a lição. Em breve quiseram fazer uma cidade e uma torre que tocasse os céus (Génesis 11:3-4). Mais uma vez a tola ambição de serem iguais a Deus. 

 

Deus travou-lhes a tolice que estavam a fazer, confundindo-lhes as línguas e espalhando-os pela terra. Aí continuaram com os pecados do homicídio, poligamia, idolatria. Por isso, Deus escolheu, por meio de Abraão, um povo que fosse Seu, obedecesse à Sua vontade e viesse a cumprir o Seu plano de redenção. Mas mesmo esse povo, saído das entranhas de Abraão, por Isaque, seu filho, viria a esquecer-se de Deus e a ultrapassar todos os limites. Foi preciso a disciplina de Deus operar com determinação. Mesmo assim, na plenitude dos tempos,  eles rejeitaram o Salvador.

 

Não obstante de Lei de Deus ser perfeita e pura, os homens desprezaram-na e entregaram-se a todos os deboches, ofendendo a Deus das mais variadas maneiras, transgredindo todos os mandamentos e esquecendo que um dia terão de comparecer perante Deus para serem julgados e Lhe prestarem contas da sua vida.

 

Esqueceram-se inclusive do velho mandamento "deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher e serão os dois uma só carne", transformando a verdade em injustiça, mudando a glória do Deus incorruptível, criando deuses e deusas que nada são, mudando o uso natural da mulher, inflamando-se na sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpezas e chegando à miserável baixeza do casamento gay.

 

Deus não vai tolerar isto por muito tempo. O fim está próximo. Abandonai os vossos pecados e chegai-vos a Deus, antes que venham a constatar, como o rico da parábola,  que só têm uma opção - sofrer eternamente.

 

"Chegai-vos a Deus e Ele Se chegará a vós".

publicado por archote às 07:02

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Junior a 25 de Outubro de 2013 às 15:41
Eu pensei que era somente aqui no Brasil que ser gay é "moda"... pelo jeito em Portugal está acontecendo a mesma coisa.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds