Terça-feira, 30 de Maio de 2006

"PARA QUE NADA SE PERCA..."

                     Nunca o tema da economia foi tão pertinente como nos nossos dias. É a subida constante dos preços do petróleo, é o aumento dos juros bancários, o grande número de desempregados, a concorrência desenfreada, que leva à ruína centenas de empresas, a, cada vez maior, escassez de recursos naturais (como o crude, a água, o oxigénio, a pesca - tudo em  vias extinção), é o aumento da população mundial, etc., etc..

                     Tudo isto leva a que se reflicta: - como será amanhã? Como poderemos encarar o futuro? Como reagirá a economia mundial e que marcas indeléveis deixará? Quem irá pagar a factura? Sim, quem, de facto, a irá pagar?

                      Será que o homem do século XXI está a pegar e a tratar convenientemente o assunto? Será que é com mais indústria (e, por consequência, mais poluição e envenenamento) que resolveremos o problema? Será com mais apertos e compressões sobre os pobres trabalhadores (e, portanto, mais guerras, revoltas e lutas) que chegaremos lá? Será com mais ditas Uniões Europeias, Americanas, Asiáticas, etc. (e, portanto, com mais desigualdades sociais) que atingiremos o alvo de sarar a economia mundial?

                      Não sou especialista na matéria. Talvez seja apenas "sapateiro", mas penso que, assim, não vamos lá. Há um outro caminho.

                      Jesus, o Filho do Deus Altíssimo, por mais de uma vez, pôs o "dedo na ferida", pois o problema não é novo! Em duas ocasiões específicas, aquando da multiplicação dos pães para sustento das massas famélicas ( não foram as únicas), Jesus demonstrou um alto sentido de economia, não só ordenando as multidões para que todos recebessem a parte necessária, mas também mandando que, no fim do repasto,  se recolhessem todas as sobras, a fim de que, disse, "nada se perca".

                      Vemos, nesta política, a ordem para evitar açambarcamentos, estragos, venda dos bens dados ( o que para aí vai nesta área, desde os grandes aos pequenos) e também o suprimento para o futuro. O pão que precisamos para as nossas necessidades e não para a satisfação do nosso egoísmo e ambição desmedidos. Pão suficiente, mas não para açambarcamento, revenda, lucros ilícitos.

                      Jesus também demonstrou nestes milagres que até a economia de Deus tem regras. Ele, como Deus que é, podia fazer alimentos do nada, mas não o fez. Ele procurou e usou pães e peixes que alguém disponibilizou para ajudar as necessidades dos outros! Com isto, Ele ensinou que, para termos o pão de cada dia, precisamos de fazer algo, trabalhar, produzir e não comer o pão da preguiça -- esperando que caia do céu.

                        Não podemos desperdiçar, nem malbaratar as bênçãos que Deus nos dá, quer na forma de alimentos, quer na forma de  quaisquer outros bens naturais, como a água, o oxigénio, a flora, a fauna, a saúde, etc..

                        Mesmo diante da fartura e da abundância de bens, devemos economizar, poupar, pois não há bens que sempre durem se os esbanjarmos.

                        Nesta sociedade de descartáveis, de consumo desenfreado, sejamos parcos, poupados, económicos, especialmente nos bens naturais, que são de todos e que não convém esgotar.

                        Guardai o que está sobrando hoje, para que nada se perca...

publicado por archote às 10:31

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds