Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

O AMOR NUNCA ACABA (v.BN): É ETERNO

I Coríntios 13                                           I Coríntios 13:8

 

                   Tenho um amigo da etnia cigana, com quem me dou há mais de 25 anos. Tem olhos azuis, cabelo louro, boa estatura, é casado, vendedor ambulante e tem quatro filhos, um dos quais ainda pequeno.

 

                    É bem falante, gosta da família, tem uma "adoração" pela mulher, que era uma linda jovem cigana e que, ainda hoje, é pessoa sensata, trabalhadora, amorosa para os filhos, admiradora do marido, mas que embirra profundamente com os exageros do álcool que o marido, de vez em quando, entorna para o estômago. Quando isto acontece, agarra nos filhos, vai para casa da "mãe cigana" e deixa o Rafael numa lamúria que faz dó.

 

                   Muitas vezes, nestas circunstâncias, o meu amigo Rafael vem procurar-me e carpir as suas mágoas, pedir "emprestado" algum dinheiro para comprar pão e o subido favor de ir falar com a D. Zamira para voltar para casa, que ele agora até jura pelo Deus da minha igreja que nunca mais torna a beber álcool. Pura ilusão, ele sabe isso, a D. Zamira sabe isso e eu também. Na primeira oportunidade o Rafael descuida-se e... entorna o caldo, que é como quem diz, a garrafa.

 

                    Hoje foi a última vez que ele veio ter comigo. Já não estava embriagado, mas, pelo seu estado a "carraspateira" devia ter sido muito grande. A mulher tinha corrido com ele já há três dias; ele tinha saudades do "nininho"; ele precisava da esposa em casa.

 

                    Eu faço tudo, pastor. Fale com ela, pastor, peça-lhe por mim... eu não volto a embriagar-me. Sabe, pastor, o "meu amor por ela nunca acaba".

 

                     Ele quer fazer algo.

 

                    - Eu queria dar uma prenda a minha querida mulher... gostaria de lhe oferecer... bem... uma coisa que a conquistasse...

 

                    - Porque não pão para os seus filhos?

 

                    - Talvez... ela gosta de pão...

 

                    - Claro que gosta de pão. Pão é símbolo de trabalho e de amor. Vamos comprar-lhe pão.

 

                     - Mas, eu não tenho dinheiro...

 

                     - E porquê não tem dinheiro? O Rafael já hoje bebeu álcool e deve ter gasto o dinheiro...

 

                      - Mas agora não tenho dinheiro, só tenho amor para lhe dar, a ela e aos meus queridos filhos.

 

                      Fomos à padaria, comprei pão que o Rafael levaria a sua esposa com o pedido de perdão, a promessa de que não tornaria ao álcool e a confissão "esposa, o nosso amor nunca acaba".

 

                      Não sei o que aconteceu depois, mas sei, de facto, que o amor nunca acaba. Embora, olhando para o mundo, pareça o contrário, de facto o amor nunca acaba, é eterno, como a fonte onde nasce - DEUS.

 

                     Não sejamos acomodados no amor, mas pratiquemo-lo, dos mais pequenos actos às maiores epopeias da vida, e veremos que o amor nunca acaba.

 

                     O amor nunca acaba, nam jamais falhará, basta que o bebamos diariamente na FONTE.

 

publicado por archote às 08:36

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds