Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

COM DOR TERÁS FILHOS

Génesis 3:8-19                                                 Génesis 3:16

 

 

                    Já alguém chamou ao tempo desta vida terrena "vale de lágrimas", tempo de dor e martírio. Nem sempre foi assim. Antes do homem se ter rebelado contra Deus e ter feito o que aos Seus olhos parece mal, esta vida era um tempo de delícias e de bênção. Um paraíso!

 

                    Com o pecado veio a dor, os cardos e os espinhos, as lágrimas e o trabalho com suor e sofrimento, a maldição e o afastamento de Deus.

 

                    O "dar à luz", que é uma das bênçãos mais lindas da mulher, é antecedido por dores tremendas. O trabalho, que foi dado como bênção maravilhosa, agora é doloroso, penoso, pesado, com suor e lágrimas. A terra preparada para produzir lindas flores, suculentos frutos, produz cardos e espinhos. E tudo isto por causa do pecado que gerámos no nosso coração.

 

                    Quantos terão amaldiçoado Adão e Eva pela sua queda. Mas, será que têm esse direito? Nós faríamos exactamente a mesma coisa, pois nós estávamos lá, neles mesmos. Nesta situação, costumo lembrar-me e contar a história de um homem que tinha como trabalho britar pedras. Todos os dias ele amaldiçoava Adão por ter pecado e ser culpado de uma tão grande condenação -- trabalhar no suor do rosto para ter o pão de cada dia. Um dia,  passou por ali o rei daquele país e ouviu as queixas daquele homem. Viu e sentiu todo o ódio que ele tinha por Adão.

 

                    -- Homem, porque estás tão zangado e amargurado?

                    -- Por causa de Adão e da sua cobiça pelo fruto proibido. Ademais que tinha lá tanto que comer e beber sem trabalhar.

                    -- Mas, só por isso?

                    -- Sim, se não fosse Adão, eu bem que podia comer e beber sem trabalhar ao sol, à chuva, ao frio...

                    -- Tens razão, homem. Deixa agora mesmo esse trabalho duro e vem para o meu palácio. Lá terás tudo, sem teres de trabalhar.

 

                  Imediatamente o homem foi levado numa das carruagens do rei para um lindo palácio, onde tinha vestes bonitas, comida abundante e liberdade para fazer tudo, menos levantar a tampa de uma linda e dourada terrina, que enfeitava a mesa central de uma das salas do palácio.

 

                 --  Olha, tens tudo o que quiseres, podes fazer tudo, menos levantar a tampa daquela terrina, pois, no dia em que o fizeres, voltas imediatamente para a estrada britar pedra.

                 -- Certo, majestade, não tocarei na terrina.

 

                 Assim foi durante mais de um mês. Mas, o tédio e a curiosidade começaram a trabalhar nele e, certo dia, ele levantou um pouquinho da tampa. Lá dentro estava um rato esfaimado, que não perdeu a sua oportunidade e fugiu.

 

                Bem que ele correu atrás do famélico bicho, mas nunca mais o apanhou.

 

                O rei, que todos os dias ia visitar o seu convidado e perguntar-lhe se precisava de alguma coisa, achou-o mais triste e viu logo o que se tinha passado.

 

                 -- O que tens, meu amigo? Alguém não cumpriu o seu dever para contigo?

                 -- Não, senhor, está tu...do... bem

                 -- Tu mexeste na terrina, louco...

                 -- Só levantei uma pontinha da tampa...

                 -- Pois bem, agora volta para a britadeira o resto dos teus dias e nunca mais digas que a culpa é do Adão.

 

                 Pois, a culpa não é de Adão. É totalmente nossa, mas Deus tem uma solução para a nossa dor e maldição: o dom gratuito de Deus - Jesus Cristo.

publicado por archote às 07:40

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

. PARE, MEDITE E ORE

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds